Tel: (21) 2547-8622      drveragarcia@gmail.com
BUSCA NO BLOG:

BLOG - Suicídio em adolescentes e adultos jovens está aumentando no Brasil: quais seriam as razões?

24Abr2017

Por que os jovens brasileiros estão cometendo suicídio  no auge de sua juventude? Quais as razões que levaram estas pessoas a tirar a própria vida, justamente num momento mágico de descobertas, de crescimento físico e intelectual, de aptidões que afloram, de talentos que surgem, de paixões intensas, de conquista da própria liberdade, de tantas possibilidades que estão por vir?

 
O assunto é sério e merece muita reflexão. Não há, obviamente, uma única razão que explique a angústia e o sofrimento intenso de quem decidiu por fim à vida. Se o ato do suicídio parece violento para quem está observando de fora, imaginem a intensidade do desespero interno de quem optou por essa atitude.
 
A depressão está aumentando em toda a população, inclusive entre os mais jovens. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o país campeão mundial do transtorno de ansiedade e somos o quinto em número de pessoas com depressão; o que significa aproximadamente 11,5 milhões de brasileiros. 
 
Doenças do corpo ou doenças da mente podem levar pessoas à morte. Cada uma de um jeito.  Depressão é uma doença que pode matar.  Parece mais fácil e aceitável compreender  que  um jovem venha a falecer vítima de uma doença como o  câncer, por exemplo. No entanto, compreender que um jovem, também vítima de uma doença como a depressão, tire a própria vida, num ato de extremo desespero é muito mais difícil, mesmo nos modernos dias de hoje. Ninguém “julga” ou considera “fraco” o jovem que morre vítima de câncer. Mas ainda há os que julgam e consideram um ato de fraqueza os que morrem vítimas de depressão. Sob o aspecto humano, temos ainda muito que evoluir.  
 
Por isso, há que se ficar atento aos sinais de depressão entre os nossos jovens. Cada um demonstra de um jeito. Tendência à solidão, um comportamento constantemente  mais introspectivo, falta de motivação, agressividade descontrolada, insônia ou, ao contrário, sonolência excessiva, são alguns de tantos sinais. 
 
Conversar abertamente, sem nenhum tipo de preconceito, saber escutar e procurar entender  o que se passa na cabeça de um jovem pode ser uma boa opção para começar. E hoje em dia há muitas possibilidades de tratamento que podem ajudar muito. 
 
O mundo está, de fato, mais difícil para os jovens. Não obstante toda a “revolução” tecnológica, toda a modernidade e instantaneidade da comunicação, o mundo está mais complicado para eles.
 
As centenas de “amigos” que fazem nas redes sociais não dão conta de segurar o isolamento e a solidão que muitos jovens sentem. De fato, nas redes sociais, a regra geral é travestir-se no melhor   “personagem”  de si mesmo, com a melhor foto, em que todos aparecem bem sucedidos, fortes,  vigorosos, vencedores, passando pelo mundo com uma felicidade que nunca terá fim. 
 
Não é nada fácil sair do personagem criado e encarar o próprio “eu” frente a frente, tal como é: real, cotidiano, com tristezas, sofrimentos, pontos fracos, complexos e angústias tão naturais de todos os seres humanos. 
 
Mais difícil ainda talvez seja conversar com pessoas, amigos ou família,  sobre estes assuntos. A vida é muito corrida e ninguém parece querer saber de problemas.
 
Além disso, a competitividade é intensa e explícita. Desde pequenas, as crianças tem suas agendas cheias de aulas e mais aulas extras, além das da  escola, para que estejam devidamente  “preparadas” para o mundo que as espera. Devem ser precocemente bilíngues, dominar um esporte, pertencer a uma “tribo” qualquer - pois qualquer tipo de comportamento diferente é motivo para bullying- 
e estar entre os primeiros alunos  de uma escola super bem pontuada no ranking nacional. A pressão é grande.
 
A violência urbana, a que todos estamos expostos, ceifa momentos de descontração e de tranquilidade de todos. Não se pode andar ou perambular despreocupadamente pelas ruas. Não se pode ter um objeto de desejo, sem medo de ser assaltado. Ir e voltar das festas e baladas é motivo de preocupação dos pais. Há que se viver atento e em estado de tensão. 
 
O mundo não está fácil para ninguém. As dificuldades mais intensas podem desencadear processos depressivos nos jovens que podem ter consequências graves e extremas como o suicídio. 
 
Estar atento e conversar abertamente sobre todos os assuntos é o que podemos e devemos fazer. Sempre.

Fonte: Globo.com, por Dra. Ana Escobar